O Geoprocessamento e Suas Tecnologias: Parte 1

Geoprocessamento e Suas Tecnologias

Mesmo que você tenha começado à estudar sobre Geoinformação já deve ter percebido que há alguns conceitos que são comumente confundidos. Por exemplo, muitos acham que Geoprocessamento, Geotecnologias e Sistemas de Informações Geográficas (SIG) são a mesma coisa. Nesta breve breve série de artigos apresentaremos, de forma sucinta, alguns conceitos básicos utilizados nesta área.

O QUE É GEOPROCESSAMENTO

Há quanto tempo você começou a trilhar em seus estudos das geotecnologias? Certamente você concorda que sempre é bom começar compreendendo o que é o próprio Geoprocessamento.

O Geoprocessamento e Suas TecnologiasNo meu caso, como autor deste artigo, lembro-me de que quando iniciei minha graduação em Geoprocessamento, boa parte da minha turma de quarenta alunos não tinha a menor ideia do que era o Geoprocessamento.

Alguns até achavam que teríamos um curso direcionado para Geografia Física e outros achavam que não iriam nem precisar tocar no computador durante o curso!

Mas, enfim, o que é o Geoprocessamento? Será que é a mesma coisa que o tão falado SIG? Não, não é!

O Geoprocessamento é um ramo da área do conhecimento denominada oficialmente de Geomática. Ele engloba o total conjunto de técnicas (ou tecnologias) ligadas à informação espacial, quer seja no tocante a coleta, tratamento e análise desses dados.

Algumas dessas técnicas, também chamadas de Geotecnologias são: Topografia; Fotogrametria; Cartografia; Sensoriamento Remoto; Posicionamento por Satélite; Geoestatística; Banco de Dados Geográficos; WebMapping e SIG.

Geoprocessamento x Geotecnologias x SIG
Relação entre o Geoprocessamento e as Geotecnologias – Fonte: Medeiros (2012)

Ou seja o SIG, bem como as demais Geotecnologias mencionadas acima, formam o que chamamos de Geoprocessamento.

Acho muito interessante o comentário feito por CÂMARA & DAVIS (2001) de que “Se onde é importante para seu negócio, então Geoprocessamento é sua ferramenta de trabalho”. Essa frase resume bem o amplo leque de aplicações do Geoprocessamento.

Agora, o que é um SIG?

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (SIG)

Consideremos agora os usos do termo SIG (Sistema de Informação Geográfica) ou GIS (Geographic Information System).

Cursos de GeoprocessamentoJá percebeu que usualmente se usa a mesma sigla para definir o SIG como os softwares utilizados como ferramentas para sua implementação? Por exemplo, já ouviu ou leu algo como: “Para desenvolver o SIG da prefeitura utilizamos o SIG Kosmo“? Notou o uso do mesmo vocábulo para descrever duas coisas diferentes?

Como dizia uma ex-professora minha da faculdade, a situação descrita acima é semelhante o uso que se faz da sigla DVD tanto para o aparelho como para o disco DVD (Digital Versatile Disc).

Talvez você ache até estranha essa ideia e pense algo como: “Mas o Kosmo, gvSIG, ArcGIS e tantos outros programas não sou “SIG”?

É verdade que alguns são até chamados como “Kosmo SIG” ou “GRASS GIS“. Mas como a figura abaixo ilustra, esses softwares são apenas um elementos dos que constituem um SIG.

Componentes de um SIG

Conforme mostra o diagrama, um SIG, é composto não apenas de softwares, mas também por metodologias aplicadas, dados a serem coletados e tratados, hardwares específicos de bom desempenho, como por exemplo scanners e coletores de dados GPS e recursos humanos (que serão responsáveis por operar os programas, manipular os equipamentos e dados e, claro, definir metodologias adequadas).

Ou seja, o gvSIG, Kosmo, ArcGIS, MapInfo, GRASS, Udig e tantos outros programas computacionais, proprietários ou livres são Softwares de SIG ou Softwares para SIG. Sobre isso, recomendo que leia:

Quando se desenvolve um SIG, também chamada de aplicação SIG, dados de diversas fontes, de caráter geográfico e tabular são integrados em um único sistema onde estes dados podem ser cruzados gerando novas informações úteis.

A figura abaixo mostra alguns dados visualizados no software QGIS, anteriormente chamado de Quantum GIS.

Software QGIS - Versão 1.7.4

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBGIS

Na segunda parte desta série de artigos explico sobre outras tecnologias do Geoprocessamento, como o Banco de Dados Geográfico e o Webmapping. Leia agora mesmo:

Numa postagem futura considerei sobre exemplos práticos de como se implanta uma aplicação SIG e dos produtos e análises geradas através deste.

Enquanto isso, aproveite para ler também:

Assine nosso FeedAssine nosso Feed e receba nossas atualizações por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

24 Comments on “O Geoprocessamento e Suas Tecnologias: Parte 1”

  1. Sou uma leiga no assunto e seu site realmente me ensinou bastante. Parabéns !!!

  2. Edvana Mirela disse:

    Anderson muuuito obrigada, você salvou minha vida! rs
    Parabéns pelo post!!!

  3. Medeiros, você teria um artigo científico publicado que aborde estes conceitos? Mais especificamente, essa hierarquia, que diz que o SIG está dentro de Geotecnologias que está dentro de Geoprocessamento.
    Pretendo utilizar esta sua hierarquia num trabalho e gostaria de referenciá-lo.

  4. Muito bom, explicação simples e clara, mas muito eficaz. Me ajudou muito.

  5. Olá amigo, preciso de um sistema de mapeamento que possamos identificar a localidade de pacientes da empresa de atendimento ao enfermo espalhados pela cidade. Você sugere algum tipo de ferramenta, de preferencia plataforma Web ???

    1. Oi Carlos,
      Para ambiente local (desktop) recomendo o uso do QGIS. Para aplicação Web recomendo usar o i3Geo.
      Abraço!

  6. Thiago Henrique disse:

    Estou fazendo um trabalho sobre as novas tecnologias no ensino de cartografia e pretendo descrever sobre a utilização de alguns programas computacionais (Philcarto, I3Geo, Spring, Diva-gis) e sites como o google maps, google earth, entre outros. Esses programas e sites são caracterizados como geotecnologias ou sig? Poderia me enviar algum material que me ajude a compreender mais claramente a diferença entre ambos? Agradeço a atenção! thiagoaraujogeo@gmail.com

    1. Oi Thiago, como vai?
      O Spring e o Diva-GIS são sim softwares de SIG. O Philcarto serve para cartografia, mas não é classificado como SIG. O i3Geo é apenas para aplicações web.
      Google Earth é “apenas” um globo virtual.
      O material que tenho sobre isso é esta série de postagens que você comentou.
      Abraço!

  7. Olá Anderson,
    sou geóloga mas não sei muito sobre a área de geoprocessamento. Acontece que tenho que montar uma aula pra amanhã com o seguinte tema: Novas Tecnologias em Geoprocessamento Aplicadas a Estudos Geológicos.
    Você tem como me ajudar? Não estou conseguindo muita coisa pela net.
    Obrigada.

  8. Aprecio muito seu trabalho Anderson, parabéns!

    Quanto ao artigo, ao meu ver, só precisa de uma atualização.

    Todos os conceitos estão muito bem explicados, entretanto o termo GEOPROCESSAMENTO para as definições citadas é errôneo. O termo adequado
    para os conceitos explicados seria GEOTECNOLOGIAS.

    Você mesmo fez a referência ao artigo de Jorge Xavier da Silva na revista
    79 do CREA-RJ (pág.42), no qual ele trata sobre essa questão GEOPROCESSAMENTO x GEOTECNOLOGIAS, em outra postagem (http://www.andersonmedeiros.com/definicao-de-geoprocessamento/).

    segue o link da revista:

    http://app.crea-rj.org.br/portalcreav2midia/documentos/revista_79.pdf

    Abraço!

    1. Vitor, e eu concordo plenamente com o Dr. Xavier.
      Acho que não soube me expressar bem nesse post.
      Agradeço pela comentário.
      Abraço!

  9. Victoria Oliveira disse:

    Quero parabenizá-lo pelo blog, tem um ótimo conteúdo e textos bem escritos, de fácil entendimento pra todo mundo. Sou formada em Geografia e atualmente atuo como Perita Criminal no Estado do Tocantins, encontrei seu blog por acaso, pesquisando sobre o assunto para um artigo que estou escrevendo sobre SIGs na perícia criminal. Agora pelo jeito ainda vou passar muito tempo por aqui, já está na minha lista de favoritos.

  10. Andrey Lopes disse:

    Muito bom seu artigo, moro em Florianópolis sou analista de sistemas e estou começando a me interar mais SIG e em suas ferramentes e metodologia de aplicação, suas informações estão sendo de grande valia para meus conhecimentos, serei, ou melhor sou um adpto ao seu blog.

    Parabéns.

    1. Olá Andrey! Bem vindo ao blog e obrigado por seu comentário.
      Sinta-se a vontade para sempre postar seus comentários com dúvidas, sugestões e críticas também.
      Bom ter você como nosso leitor. Ontem recebi a notícia que este blog está concorrendo ao prêmio de melhor blog de Geotecnologias do Brasil pelo MundoGeo#Connect. Espero contar com seu apoio.
      Abraço!

  11. Anderson moro no rio de janeiro e estou geoprocessamento no curso de geografia pela faculdade FEUDUC estou no começo mas as suas dicas tem me ajudado muito, abrigado

    1. Olá Paulo,
      Fico feliz por ajudar de alguma forma. Obrigado por seu comentário. Vou ficar esperando pelos próximos. 😀
      Abraço!

  12. andre dos anjos disse:

    Parabens pelo Post, é boa informação pra galera que não conhece do que se trata geoprocessamento.

  13. MARIA APARECIDA disse:

    ISSO É BOM VAI AJUDAR EQUELIBRAR A DESIGUALDADE ECONOMICA DOS ESTADOS, E TAMBEM É PORQUE FAZ NÓS BRASILEIRO A LER.

  14. Anderson Couto disse:

    Parabens pelos post’s, sao de grande valia para quem esta ingressando na area.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *