Como gerar Curvas de Nível com QGIS usando MDE

Extraindo curvas de nível do MDE usando o QGIS

Como extrair curvas de nível a partir de um Modelo Digital de Elevação (MDE)? Esta pergunta será respondida neste nosso tutorial de QGIS. O processo envolve uma atividade bastante comum em projetos de Geoprocessamento, pois engloba dados geográficos com grande aplicabilidade em vários ramos (gestão urbana, meio ambiente, construção civil, etc).

COMO EXTRAIR CURVAS DE NÍVEL DE MDE NO QGIS

O dado que nós vamos operar neste tutorial é um recorte de um Modelo Digital de Elevação de uma área da cidade de Porto Alegre/RS, com 1 metro de resolução espacial.

ClickGeo: Cursos de GeotecnologiasA imagem abaixo representa uma visualização do arquivo no QGIS. Destacamos que este procedimento pode ser realizado mesmo com dados com uma resolução espacial inferior, como é o caso dos dados da missão SRTM / Topodata.

Como gerar Curvas de Nível com QGIS usando MDE

Recomendamos também, desde já, que não deixe de ler os dois tutoriais indicados abaixo que apresentam procedimentos relacionados com o que estamos estudando aqui:




Para começar, acesse o menu Raster → Extração → Contorno.

Extração de Curvas de Nível através do Menu Raster

Indique o arquivo de entrada (neste caso, MDE1m), o nome do arquivo de saída e o intervalo entre as linhas de contorno. Veja na imagem as configurações e parâmetros que utilizamos.

É importante que este intervalo entre linhas de contorno respeitem a resolução espacial do seu MDE. Caso contrário, o QGIS vai gerar o vetor das isolinhas, mas os valores de cota não serão confiáveis.

Além disso, caso não seja fornecido o nome do atributo (que por padrão é ELEV) não será incluída na tabela de atributos uma coluna com os valores da cota para cada vetor. Então, é bom ficar atento a este detalhe!

GDAL Tools: Geração de MDE usando Curvas de Nível no QGIS

Depois de clicar em OK o processamento é iniciado. Na imagem a seguir, temos o resultado de todas as curvas de nível geradas pelo software (para este exemplo, desativei a camada MDE para facilitar a visualização).

Isolinhas: Geração de MDE usando Curvas de Nível no QGIS

Por vim, aplicamos na imagem a seguir algum nível de aproximação (zoom) para melhor verificação das curvas extraídas. Observe na imagem com o valor da cota exibido como rótulos das feições.

Tutorial: Como gerar Curvas de Nível com QGIS usando MDE

O que acharam do processo? Imaginavam que era algo tão simples?

Aguardamos seus comentários sobre este tutorial e deixamos a recomendação que leia também as seguintes matérias:

Assine nosso FeedAssine nosso Feed e receba nossas atualizações por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

33 Comments on “Como gerar Curvas de Nível com QGIS usando MDE”

  1. Bom dia professor Adilson, e se eu seguir todos esses passos e no final criar o contorno mas não aparecer na imagem, é o meu caso, o que eu faço?

  2. É importante que este intervalo entre linhas de contorno respeitem a resolução espacial do seu MDE. Caso contrário, o QGIS vai gerar o vetor das isolinhas, mas os valores de cota não serão confiáveis.

    Como identifico o intervalo entre linhas pela resolução espacial da imagem?

  3. Ola bom dia, gostaria de saber se existe algum software para baixar apenas como modelo a ser feito de curvas de níveis em caixa de areia para desenvolver explicação simples em sala de aula?

  4. amigo, queria saber como tirar a hidrografia, drenagem de um srtm, usando o QGIs, poderia me ajudar??

  5. Claudio Anders disse:

    Muito bom este post, uma questão pratica que realmente ajuda em projetos que permitem a utilização de dados do SRTM para geração de curvas de nível,
    Abraço

  6. Mayara Paula Silva Franco disse:

    Muito interessante, só uma dúvida, o arquivo exportado já vai georreferenciado para o AutoCAD?
    Obrigada

    1. Mayara, vai depender de você definir um sistema de referência para seu dado antes de importar no programa de CAD.
      Abraço!

  7. Amanda Maria disse:

    Anderson, como faço pra gerar isolinhas no qgis a partir de dados que já tenho? Obrigada!

  8. Gilberto Gayer disse:

    É muito pertinente a observação inicial do Marcelo em relação à acurácia das curvas de nivel geradas, principalmente se optarmos em ser muito próximas (abaixo de 5 m). Tentei gerar um arquivo com curvas de 1 m a partir de SRTM, para a partir deste shape gerar outro raster “mais preciso” para um mapa de declividade, mas que certamente pode induzir a vários erros.
    Neste caso vc tem alguma sugestão para mapas de declividades mais precisos Anderson? Se eu não possuo um arquivo vetorial preciso, somente imagens, como deveria proceder?

  9. ola anderson,
    vc saberia como utilizar os dados srtm no surfer 11?
    so consigo utilizar o surfer quando tenho uma planilha nunca consegui com um DEM.
    vc saberia como proceder?
    grato

    1. Oi Hélio, já fiz alguma coisa com o surfer, mais ele trabalha com tabela do Excel, no caso voçe insere, uma tabel com X,Y,Z, ou seja exemplo, sempre em UTM, e a zona do setor , exemplo 2
      Vetice X Y Z
      1 200500.000 9500200.000 500.200
      2 xxxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxx

      Depois que inserir essa tabela com e os valores que você escolher, voçê faz tudo no Surfer, curvas de nível , elevações em 3D e etc.

      Espero ter ajudado

  10. Paula Helluska disse:

    Olá Anderson, como vai?
    Acompanho sempre suas dicas, tutoriais e informações que compartilha conosco, admiro seu trabalho quero parabeniza-lo por faze- lo tão bem. É uma santa ajuda a nós geógrafos e afins que precisam usar os SIGs. Parabéns belo trabalho.

  11. marcelo maranhão disse:

    Prezados,
    É inquestionável a utilidade do SRTM como dado disponível de fácil acesso, mas deve-se tomar muito cuidado com suas restrições de acurácia. Esse modelo se presta para trabalhos compatíveis com as escalas de mapeamento de 1/100.000 ou menores, ou seja, mapeamentos com espaçamento de curvas de nível de no mínimo 40 m. Qualquer tentativa de produzir dados fora desse limite poderá ocasionar a geração de informações incorretas e imprecisas.

    1. Carlos Silva disse:

      Olá, Marcelo.

      Essa sua observação é extremamente pertinente e deve ser levada a sério, pois os dados altimétricos do SRTM utilizados em produtos cartográficos de grandes escalas traduziram uma realidade de relevo falsa, acarretando decisões técnicas erradas.
      Parabéns pelo alerta!
      Abraço.

  12. Boa tarde

    Prezado, Anderson Medeiros

    Como faço para baixar o “Mosaico SRTM de GOIAS”, mais precisamente da cidade de Mineiros/GO. Tenho que fazer um trabalho em cima da cidade de Mineiros/GO.

    Grato

    Abraços

  13. Olá Anderson, obrigado pelos tutoriais e dicas valiosas que disponibiliza. Conversando com um amigo que é geógrafo, ele me disse que os dados gerados dessa forma (as curvas) não refletem exatamente o que está no terreno, uma vez que em testes em vários computadores com um mesmo arquivo srtm e as mesmas configurações da ferramenta para gerar as curvas, surgiram resultados diferentes. Como explicar isto?

    1. Renato, como vai?
      Olha, primeiramente, antes de dar um posicionamento, teria de verificar essa estranha (ao meu ver inicial) observação de seu amigo.
      Eles tem os resultados documentados?
      Abraço!

      1. Então Anderson, eu segui o procedimento que você indicou e deu certo comigo. Mas ele me disse que durante uma aula do curso de geografia que ele faz aqui na UFPR o professor colocou o mesmo arquivo para seis alunos fazerem curva de nível usando a mesma configuração na ferramenta (no caso eles usaram o ArcGIS) e aconteceu que houve seis resultados distintos. Perguntando ao prof dele porque isso ocorria, o mesmo disse que, independente do programa de sig usado, sempre os resultados serão diferentes em máquinas diferentes porque a distância entre os pontos da mesma linha são muito distantes entre si (o que poderia ocasionar desvios da curva original no terreno), além de, em máquinas diferentes, estarem em coordenadas diferentes (o que geraria as diferenças entre os resultados nos diferentes computadores). Eu ainda não vi os resultados, mas pedi a ele que averiguasse melhor isto.
        Abraço.
        Renato

      2. Olá Anderson, bom dia!
        Penso que descobri o motivo pelo qual os resultados saem diferentes em computadores diferentes. O prof. de meu colega solicitou que fossem utilizados interpoladores diferentes em cada caso e, por isso, houve essas divergências de resultados. Não entendo muito bem disso. Será que você poderia esclarecer melhor para nós?
        Um grande abraço e muitíssimo obrigado por dispor esse espaço.
        Renato.

  14. Olá!
    Obrigada pelo tutorial disponibilizado!

    Você sabe como faço para mostrar os valores das curvas de nível no mapa?
    Queria fazer o mesmo com nomes de rios que estão na tabela de atributos de uma camada também.

    Obrigada!

    1. Oi Luiz, como vai?
      Na primeira janela que é aberta, clique em “Nome do Atributo” e informe um nome. Assim na tabela de atributos será armazenada essa informação.
      Depois, nas propriedades da nova camada, ative os rótulos.
      Abraço!

  15. Stela Rosa Amaral disse:

    Parabéns Anderson pelo seu trabalho, amei este processo de extração de curvas a partir do SRTM. Será muito util em minhas aulas. Obrigada.

  16. marcos paulo disse:

    olá anderson, como vai? na medida em que vamos lendo postagens como essa, fica mais estimulante o manuseio do qgis. parabéns, grande abraço!

      1. Bom dia professor Adilson, e se eu seguir todos esses passos e no final criar o contorno mas não aparecer na imagem, é o meu caso, o que eu faço?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *