Entrevista: Juliana Cavichiolo – Geógrafa

Entrevista_GeografaConfira agora a décima primeira entrevista da série onde estamos conversando com profissionais da área de Geoprocessamento que atuam em diferentes regiões do Brasil e do mundo. Eles estão relatando um pouco sobre sua própria história no mercado de trabalho, comentando sua visão sobre o cenário das Geotecnologias onde vivem, e algo mais. Nossa entrevistada da vez é Juliana Cavichiolo, Geógrafa que mora em Curitiba, no Paraná.

Juliana CavichioloJuliana Cavichiolo é Paranaense, natural de Curitiba. Formada em Geografia, pela Universidade Federal do Paraná, (UFPR 2003), com especialização em Geoprocessamento PUC-PR (2013). Por muitos anos trabalhou como Analista em Geoprocessamento e também com Licenciamento Ambiental. Atualmente trabalha setor comercial de softwares. Entusiasta do Google Maps, Waze e aplicativos de previsão do tempo e qualquer aplicativo (Android) que utilize mapas como base. É também disseminadora de Geotecnologias em diversas redes sociais, como o Twitter, Facebook e LinkedIn.

1. Há quanto tempo você trabalha com Geotecnologias e como foi seu primeiro contato com esta área tão empolgante?

Meus primeiros contatos com Cartografia foram já quando criança, quando meu pai me mostrava Cartas Náuticas e mapas antigos. Nessa fase já tinha uma grande admiração por aqueles desenhinhos de lugares coloridinhos que eu via. É uma pena não ter guardado os mapas que eu fazia na época.. Já na faculdade, no primeiro ano tive aulas da disciplina chamada na época de “Cartografia Digital”, onde aprendi as primeiras técnicas no IDRISI.

Já desde essa época me encantei pela arte do mapeamento. Aprendi muito nos estágios que fiz na EMATER-PR e na SEMA, onde tive inicialmente contato com SPRING e o ArcGIS. Com já alguns conhecimentos, comecei a aplicar as técnicas de Geoprocessamento em uma empresa de Consultoria Ambiental, dando uma nova visão de Cartografia para um pequeno escritório. A cada vez que aprendia algo novo, ia cada vez mais me apaixonando.

Entrevista: Juliana Cavichiolo – Geógrafa

Um tempo depois, na Maplink trabalhei em projetos que na época foram pioneiros. Levantamento de quilometragem de estradas e seus pontos de referências, levantamento de radares e câmeras tanto urbanos quanto rodoviários, levantamento de Feiras Livres e Pontos de Alagamento foram os principais projetos na época. Apesar da limitação tecnológica no momento, eu e a equipe conseguimos construir a base do conteúdo do site. Até agora é algo que me orgulho de ter participado.

La aprendi a ter o gosto pela pesquisa de informações, o que me levou a ser uma disseminadora de ‘Geo Notícias’ via Twitter na época. Em seguida, passei uma fase da vida profissional me dedicando à Consultoria Ambiental, executando Estudos de Impacto de Vizinhança, onde as ferramentas de Geo eram utilizadas superficialmente, para espacializar meus estudos.

Leia também: Apostila de Cartografia Básica, GPS e ArcGIS

2. Você fez algum curso na área de Geoprocessamento? (Pode também citar onde, e se possível algumas características do curso)

Trabalhando direta ou indiretamente com Geoprocessamento há mais de 10 anos, acabei procurando uma pós na área para me atualizar, foi uma Especialização em Geoprocessamento na PUC-PR, com duração de dois anos. Nesse período tive contato com muitas pessoas que eu já conhecia da área, tanto alunos quanto professores. Foi uma experiência ótima, pois como disse anteriormente, por alguns anos eu tinha me dedicado apenas à Estudos Ambientais e necessitava rever conceitos e contatos.

Acompanho sempre diversos Blogs de Geo, páginas do Facebook e o Twitter, para saber o que acontece no mercado e saber todas as novidades que acontecem. Assim me tornei uma grande consumidora, curiosa e disseminadora de assuntos sobre Geotecnologias. Também costumo, sempre que possível, participar de webinars, promovidos por diversos fabricantes em parceria com o grupo MundoGeo e é claro, dos meus fornecedores.

Veja também: 5 Grupos sobre Geotecnologias no Facebook

3. Qual sua visão sobre o cenário atual das Geotecnologias no Brasil? Considera que há boas perspectivas para os profissionais?

Acredito que as Geotecnologias são uma novidade para diversas áreas do mercado. Percebo que cada vez mais há pessoas buscando informações e metodologias que se baseiam em Geo. Áreas como o Direito, Turismo e Marketing por exemplo, estão cada vez mais atrás de soluções para diversas linhas de trabalho. O Geoprocessamento está se popularizando, não é mais uma exclusividade de estudos de Meio Ambiente, Governo, Mineração etc.

4. E no Paraná? Como você vê a área de Geotecnologias em seu estado?

Venho percebendo diversas soluções implementadas por Prefeituras, para melhorias na Agricultura, Mobilidade, Planejamento e Cadastro Urbano principalmente. Esses projetos geralmente são desenvolvidos por empresas de consultoria que e desenvolvem soluções direcionadas para essas situações. Há muitos casos também que aplicativos são desenvolvidos sobre plataformas existentes, facilitando a produção destes por designers e desenvolvedores que possuem algum conhecimento em Geotecnologias.

Para muitas instituições, as soluções em Geotecnologias ainda são uma tecnologia dispendiosa, porém o trabalho das empresas que oferecem soluções (inclusive eu) é educar o público para que analisem bem todos os benefícios que investimentos em Geo podem trazer.

5. O que você acha que seja fundamental para que um profissional consiga um bom espaço no mercado de trabalho em Geoinformação?

O profissional que se interessa por Geo pode se especializar em uma vasta gama de atividades e/ou direcionar sua área de interesse. Ao meu ver, o Geoprocessamento tem sido cada vez mais valorizado como técnica, e da mesma forma estão os profissionais que vão atrás de conhecimento e aprimoramento. E mais, pela característica dinâmica das Geotecnologias, passar um dia sem estudar e se atualizar no assunto, é muito.

6. Com quais softwares para Geoprocessamento você tem trabalhado, desde o início de sua carreira até hoje (comerciais e livres)?

Meus primeiros contatos com softwares Geo foram o IDRISI e o SPRING, na faculdade. Durante meus estágios na EMATER-PR e na SEMA utilizei bastante o AutoCAD – R14/ 2002/ MAP e Autocad – Posição – na época basicamente executava a digitalização de Cartas Topográficas (hehe), além do ENVI 3.2, do ArcView 3.2/ 8.3/ ArcMap 9.0, do MicroStation, e do MapInfo.

O que acha de fazer um Curso Online de AutoCAD?

Tive também um breve contato com softwares livres como Draftsigth, GRASS GIS e Quantum GIS, quando trabalhava com Consultoria Ambiental, pois não possuía muitos recursos para obter softwares proprietários.

Atualmente meu foco são as ferramentas que represento, sendo o Global Mapper – meu preferido no momento; MaPhublisher e Geographic Imager da Aveza; o GeoExpress, o Express Server e o LiDAR Compressor da Lizardtech; e também a família de softwares da Supergeo.

7. Atualmente você trabalha em uma empresa privada em Curitiba. Comente um pouco de como as Geotecnologias estão diretamente envolvidas com este trabalho.

Como trabalho na área comercial de softwares, preciso sempre me atualizar em relação às ferramentas que distribuo. Procuro sempre passar para meus clientes as potencialidades da aplicação que buscam, e também avaliar qual aplicação posso oferecer para determinados fins. Acabo assim fazendo um pouco do papel de consultora em Geotecnologias, ao identificar as necessidades dos clientes e procurar solucionar suas ‘dores’.

8. Você gostaria de fazer algum comentário adicional sobre o tema de nossa entrevista?

Como antiga leitora sua, agradeço a oportunidade da entrevista, sua amizade e sua parceria! Parabenizo sua iniciativa em promover sempre assuntos atuais na área!

_________________________________________________________________

Queremos agradecer a Juliana por nos conceder esta entrevista que certamente agregou valor ao conteúdo de nosso site, em especial nesta série de entrevistas.

O que vocês acharam desta postagem? Já conheciam o trabalho desenvolvido por esta relevante profissional da área de Geotecnologias? Deixem seus comentários.

Assine nosso FeedAssine nosso Feed e receba nossas atualizações por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

20 Comentários


  1. Parabéns Juli, vc merece sempre te admirei e sei o quanto eu competente…

    Responder


  2. Parabéns, Juliana! Tenho muito interesse em fazer uma pós nesta área. Sou professora de geografia.

    Responder

  3. Parabéns, Juliana. Acho incrível a habilidade em geoprocessamento. Estou muito interessada em estudar e me aprimorar na área. Sou professora de geografia e gostaria muito de fazer uma pós. Um forte abraço

    Responder

  4. Parabéns Ju pelas várias dicas, e pelo crescimento profissional contínuo, espero que siga atuando com propriedade e entusiasmo.

    Em uma palavra “sucesso” você vai longe.

    Bjks

    Responder

    1. Obrigada Thalita!
      Assim vocês (meus amigos) talvez compreendam um pouco do meu trabalho!

      Beijos!

      Responder

  5. Parabéns Juliana. É bom ver uma pessoa falar com propriedade daquilo que gosta de fazer. Espero que continue a trilha de sucesso.

    Responder

    1. Muito obrigada Ricardo Engelbert!
      Agradeço também seu apoio.

      Responder

  6. Parabéns pela matéria e fico muito contente em saber que a minha amiga de sala de aula conseguiu este grande avanço na área.

    Responder

    1. Obrigada Vanderson, estamos todos ai, na luta! 😀
      Abraço

      Responder

  7. Juliana, adorei a reportagem. Muitas dicas interessantes.

    Esse semestre irei fazer a disciplina de topografia e no próximo semestre de geoprocessamento e sensoriamento remoto. Queria um conselho seu, qual seria o(s) melhor(es) programa(s) para eu começar a estudar para entrar na área de geoprocessamento? Você citou vários, mas quero uma dica mais específica para quem está começando agora.

    O que você acha do autocad map 3d? É um ótimo programa para entrar na área profissional de geográfos?

    Responder

    1. Ola Virgínia Jucá obrigada! De início, você pode investir seus estudos em softwares livres, como o GvSIG, QuantumGIS, GrassGIS ou Draftsigth. Depois, conforme seu curso você certamente irá manipular outros aplicativos que a instituição utiliza. E assim, conforme a sua utilização e sua finalidade, você pode optar para o que é melhor para tal. Se quiser conversar mais, me mande email para o jcavichiolo@gmail.com Abraço 🙂

      Responder

  8. Juliana, creo que tu trayectoria y trabajo es muy amplio… y hoy resulta imprescindible para el bienestar ecológico no solo de la sociedad donde vives sino también indirectamente para nuestros países; pues México también posee una gran riqueza natural. Te felicito y te envió un fuerte abrazo!.

    Tu amigo Israel.

    Responder

    1. Muchas gracias Israel!!
      Asi seguiemos mapeando todo el mondo!

      Responder

  9. Tive a oportunidade de conhecer a Juliana Cavichiolo pessoalmente num evento de Geotecnologias em São Paulo. Em apenas cinco minutos de conversa, você passa a conhecer essa pessoa incrível, inteligente, capaz, altamente comunicativa e bem humorada que é a Ju Cavichiolo.

    Juliana, sucesso na sua carreira! Espero que nossos destinos se cruzes em outras esferas também! Abraço!

    Responder

    1. Muito obrigada Jorge!
      Pena que tivemos pouco tempo para conversar naquele momento, mas espero em breve ter um novo encontro, talvez no próximo evento!
      Abraços!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *