Revolução Geoespacial

Quero divulgar aqui um grande projeto. Trata-se do Geospatial Revolution (Revolução Geoespacial), um projeto da Penn State Public Broadcasting. O projeto consiste em um sistema integrado de serviços de divugação sobre o mundo da cartografia digital e como ela está mudando nossa forma de pensar, agir e interagir.

A missão do projeto é ampliar o conhecimento público sobre a história, aplicações, questões legais, e a potencialidade das tecnologias baseadas em localização. Visando alcançar esta missão, está sendo produzido um interessante documentário dividido em quatro episódios, sendo que até aqui os dois primeiros já forma disponibilizados em forma de vídeos.

O primeiro episódio abrange desde o que está envolvido na Revolução Geoespacial, considerando as origens do mapeamento e da tecnologia Geográfica, apresentando uma visão sobre a aplicação do mapeamento nos esforços de socorro do Terremoto do Haiti terremoto.

Já o segundo episódio analisa a maneira como as autoridades governamentais locais e empresas utilizam as Geotecnologias para oferecer e executar serviços de forma eficiente, sempre com um olhar permanente para os futuros desenvolvimentos e aplicações na área do Geoprocessamento.

A previsão é que os dois próximos capítulos sejam disponibilizados nos meses de março e abril de 2011. Já estamos na expectativa de sua publicação, pois os dois primeiros episódios dão uma visão do que está por vir.

Por hora, além de assistir aos vídeos, acesse a seção com materiais educativos disponíveis para download.

Deixe sua opinião sobre o Geospatial Revolution nos comentários. Um Abraço!

Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

4 Comentários


  1. Esse projeto vai longe. Queria ver algo desse nível no Brasil.

    Me ofereci para traduzir os conteúdos (e legendas) e ter uma versão em Português do projecto. Nem se deram ao trabalho de responder…uma pena.

    A Revolução GeoEspacial também passa pela universalização da informação nas mais diversas linguas penso eu.

    Boa semana e um grande abraço.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *