Banco de Dados Geográfico de Desastres Naturais

Dados oficiais indicam que Catástrofes Naturais estão aumentando em número nas últimas décadas. Como as Geotecnologias podem ser de auxílio na tomada de decisão diante deste tipo de evento extremo? Estaremos indicando aqui para download uma excelente dissertação de mestrado onde se aborda, de forma bastante significativa, o uso de Bases de Dados Espaciais relacionadas com Desastres Naturais.

GEOPROCESSAMENTO E CATÁSTROFES NATURAIS

Banco de Dados GeográficoA sugestão de leitura que queremos passar para vocês  é a dissertação de mestrado do Luiz Amadeu CoutinhoO trabalho tem o tema: Banco De Dados Geográfico De Desastres Naturais: Projecto Conceitual, Inventariação e Proposta para Difusão dos Dados.

Na dissertação é apresentada a criação de um banco de dados geográfico para inventariação e avaliação de danos de desastres naturais em ambiente de Sistemas de Informações Geográficas (SIG).

Muito interessante também é a abordagem sobre mapeamento colaborativo, com destaque para o serviço Disaster Map, o qual foi criado e publicado no Wikimapps. Você já conhece estes dois serviços?

Conforme explicado pelo próprio Luiz Amadeu em seu trabalho de dissertação, o Wikimapps é um serviço publicado e preparado para receber informações num ambiente Web e multi utilizador que oferece toda a infraestrutura e funcionalidades de navegação, cabendo ao administrador apenas definir quais os tipos de marcadores a utilizar, simbologia, campos que cada um marcador deve conter, quantidade permitida por utilizador, e assim por diante.

Banco De Dados Geográfico De Desastres Naturais: Projecto Conceitual, Inventariação e Proposta para Difusão dos Dados

Já o Disaster Maps é uma aplicação final, que faz uso de um desta ferramenta, pretendendo reunir pessoas de todo o mundo que queiram compartilhar suas histórias relacionadas a Catástrofes. Todos podem contribuir com textos, links, fotos e vídeos.

Ao ler o trabalho escrito, você observará uma lógica funcional entre o serviço de mapas Google Maps, o Wikimapps e o serviço DisasterMap. Sobre esses serviços veja também:

Para fazer a leitura online ou realizar o download da versão completa do trabalho, acesse os links abaixo:

Quero mais uma vez parabenizar o autor pelo excelente projeto, onde é detalhada mais uma importante aplicação do Geoprocessamento, ainda mais por se tratar de um tema que pode afetar qualquer um de nós e a qualquer momento.

Assine nosso FeedAssine nosso Feed e receba nossas atualizações por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

11 Comentários


  1. Nossa Anderson, muito bom!

    material de excelente qualidade…vc sempre a frente nos conteúdos e repassando assuntos dos amigos internautas, em breve lhe enviarei meu artigo referente ao sensoriamento remoto de ambiente aquático e PDI.

    vlw broter!

    Responder

  2. Anderson, parabéns pela divulgação e pela iniciativa! Mas, essa foto não está muito apropriada ao artigo…

    Responder

    1. Olá Melina,
      Obrigado por seu comentário e sugestão. São sempre bem vindos!
      Você tem razão. Lembro que escolhi essa imagem meio que na pressa. Vou procurar alterar.
      Um Abraço!

      Responder

      1. Anderson, eu que agradeço sua cortesia. Obrigada por ser receptivo e por tere entendido minha sugestão 🙂 Parabéns pelo site/blog, certamente, vou retornar sempre.

        Responder

  3. Отличная статья! большое спасибо автору за интересный материал. Удачи в развитии!!! 🙂

    Responder

  4. Bom dia Anderson

    Fiquei muito feliz por ver esse post divulgando meu trabalho. Espero que gostem da leitura e estou aberto a comentários e sugestões 🙂

    Grande abraço.

    Responder

    1. Oi Luiz, tudo bem?
      Como eu já comentei em outras oportunidades, o que é bom é para ser divulgado e valorizado.
      Bom ter você por aqui, obrigado pela visita e comentário.
      Abraços.

      Responder

  5. Acabo de encontrar o que ler este fim de semana 😀
    Parabéns Luiz pelo mestrado e ao Anderson pela iniciativa de divulgar as várias aplicações das geotecnologias.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *