Conheça o QGIS Server

QGIS Server

Há alguns dias foi divulgado em alguns grupos de discussão da área de Geotecnologias uma mensagem que chamou a atenção de muitos de nós. O assunto era o QGIS Server! Sim, agora há a possibilidade de usar o QGIS para publicar seus dados geográficos na internet.

O QUE É O QGIS SERVER

Pessoalmente tenho considerado o QGIS Server como sendo um novo nível de integração entre o QGIS e o MapServer.

Através da instalação do QGIS, do Apache e do MapServer em um servidor Linux (Ubuntu, por exemplo), é possível publicar online seus mapas desenvolvidos em uma aplicação desktop, gravados em um projeto *.qgs.

Veja dois exemplos dessa tecnologia em ação, clicando aqui e/ou aqui.

QGIS Server

Veja mais detalhes sobre o QGIS Server acessando este endereço oficial ou pela imagem acima. Recomendo também a visita a postagem sobre o assunto no blog KhazanahArham.

TUTORIAL EM PORTUGUÊS SOBRE QGIS SERVER

Publicamos um tutorial atualizado (em português) sobre o uso deste serviço por meio do plugin QGIS Cloud. Confira:

O que acharam da dica de hoje? Deixem seus comentários e aproveite para ler essas outras matérias relacionadas com o tema que abordamos hoje:

Assine nosso FeedAssine nosso Feed e receba nossas atualizações por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

14 Comentários


  1. Ola anderson aqui é leandro, do srgeo. Blz?
    Muito bom o artigo e gostaria de saber se voce ja usou ou tem comi fazer um tutorial sobre o lizmap. Ouvi falar dele aqui na França e ao que me parece ele nao tem limitaçao do tamanho dos layers do projeto. No gis cloud a conta free tem limite de 50mb.
    Os tutoriais do lizmap e sua configuracao pra publicar que eu achei sao um pou complicados.

    Abs

    Responder

  2. ANDERSON, MAS, LÍ EM UM ARTIGO QUE ATRAVÉS DA IMAGENS DE SATÉLITE É POUCO PRECISO, ME REFIRO A LEVANTAMENTONÃO URBANO DE PARCELAS. eXISTE ALGUM MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE INFORMAÇÃO DE AYTRAVÉS DO SENSORIAMENTO REMOTO QUE SEJA CONSIDERADO PRECISO PARA ATUALIZAR ESTE TIPO DE BASE. SOU ESTUDANTE DE GEOTECNOLOGIA E GOSTARIA DE ENTENDER MELHOR ISTO.

    Responder

  3. Quais as formas de atualização das bases cartográficas municipal além do levantamento aerofotogramétrico?

    Responder

    1. Leide, pode ser a partir de imagens de satélite ou de levantamento de campo por GPS, por exemplo. Na verdade existem varias outras opções.
      Abraço!

      Responder

  4. Era mesmo isto.
    Obrigado e parabéns.
    Precisava era de um guia detalhado sobre como colocar em funcionamento, que hardware é preciso e que software terei de instalar.
    Já o circulei no Google+ se podermos trocar umas palavras tenho algumas questões a colocar.
    Obrigado de novo.

    Responder

  5. Prezado Anderson, boa tarde!
    Parabéns pelo blog e pelas postagens fantásticas.
    Obrigado por compartilhar seu conhecimento.

    Abraços!
    Alex.

    Responder

  6. Quanto a qualidade, acho muito bom, sempre trazendo artigos interessantes, ideias de como usar o geoprocessamento e principalmente livros que as vezes sao grandes achados.
    Leio constantemente seu blogo e faz parte do meu Marque-pages (fr para bookmark) no Iceweasel (eh, eu uso debian) e o Geo para Linux de Esdras tb.
    Rapaz, uma coisa muito boa que poderia ter era uma tabela permanente de compracao entre o Grass, SAGA, QGis e GVSig. A tabela poderia ter a lista de itens baseada na lista de itens do ArcGis (tem uma lista comparando o View, Map, Editor e Info num manual da ESRI). Isso seria muito interessante, mas eh soh uma sugestao.
    Parabens pelo otimo site, eu indico para todo mundo que eu conheco que eh da area, ou tenha interesse. Abracos.

    Responder

  7. Meu amigo Anderson, esta é uma ótima notícia. Acho que era o que faltava para eu mergulhar de vez neste universo dos mapas na web.
    Parabéns pela dica.

    Responder

    1. Olá Esdras! Realmente este avanço na integração da tecnologia desktop GIS com aplicações web torna ainda mais atraentes o desenvolvimento e uso de Webmapping.
      Abraços e obrigado pelo comentário.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *