Como escolher um Software de SIG

Software de SIG

Como escolher um software de SIG? Esta é uma pergunta que gera dúvidas na mente de muitas pessoas que trabalham com Sistemas de Informações Geográficas, principalmente diante do numeroso e variado leque de opções de programas para este tipo de aplicação. Nesta matéria serão tecidos alguns comentários que visam ajudar os usuários a se nortear durante o processo de escolha de um software de SIG para seus projetos.

Logicamente, não há uma “receita de bolo” para definição de qual programa é o mais adequado para seu empreendimento, nem seria responsável dizer que este software é melhor do que aquele outro. Assim, o que segue deve ser considerado apenas como comentários frutos de experiência pessoal do autor deste artigo. Desde já conto com sua contribuição nesta discussão.

01 – OS OBJETIVOS DE SEU PROJETO

Antes de se escolher o programa para manipulação da informação geográfica é fundamental ter bem claro quais são os objetivos de seu projeto, pois se esse fator ainda estiver obscuro, de pouco importará o sistema computacional escolhido e os resultados não serão dos mais satisfatórios. Leia a série de artigos Como Desenvolver um GIS para obter mais informações sobre este processo.

Lembre que é bem comum programas de SIG possuirem focos distintos, o que pode contribuir para retirada de algum deles de sua lista de elegíveis para uso no projeto.

02 – COMPATIBILIDADE COM SISTEMA OPERACIONAL

Em alguns casos o usuário já ouviu falar muito bem de um certo software, mas não parou ainda para se informar se aquele programa específico possui uma versão para o sistema operacional (SO) que ele costuma trabalhar.

Por exemplo, os programas da ESRI (pacote ArcGIS), em geral, não rodam em ambiente Linux, há também aqueles que por sua vez só possuem versões para plataforma Unix. Assim, não deixe de se informar sobre os SO em que o programa avaliado pode ser executado.

Vale sempre lembrar que hoje é muito fácil ter em uma mesma máquina vários sistemas operacionais usando a tecnologia da virtualização.

03 – FUNÇÕES DISPONÍVEIS NO SOFTWARE

Como já comentado acima, o foco do programa pode variar. Por isso, é importante verificar as funcionalidades oferecidas pelo software.

Exemplificando o que foi dito acima. Se pretende-se trabalhar com produtos de sensoriamento remoto o programa escolhido deve possuir um conjunto de ferramentas para processamento digital de imagens (PDI), se haverá integração com uma base de dados geográficas verifique o suporte ao driver do Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) usado.

04 – INTEROPERABILIDADE

Esse critério diz respeito ao suporte à diferentes formatos de dados geográficos. Um software de SIG que não lê formatos populares como o shapefile, DWG e DXF poderá causar problemas. O mesmo vale para a manipulação de informações do tipo raster, dados tabulares ou os padrões do Open Geospatial Consortium (OGC), tais como o WMS.

Não sabe o que são os padrões OGC? Recomendo então a seguinte leitura complementar:

Verifique não apenas as possibilidades de importação, mas de  exportação também, pois é plenamente possível que os dados gerados por você tenham de em algum momento conversar com outros sistemas.

05 – EXTENDIBILIDADE DO SOFTWARE

É a facilidade de adaptação do software a mudanças de especificação. Isso inclui a habilidade do programa de aumentar suas funcionalidades através de complementos e scripts externos, que podem ser desenvolvidos usando uma linguagem de programação especifica.

Apenas para ilustrar o dito acima: O QGIS é um dos softwares open source para Geoprocessamento mais conhecidos e já traz em seu kernel, de forma nativa, um grande número de ferramentas. Mas este robusto programa pode crescer em poder ao passo que são instalados e/ou habilitados novos complementos.

06 – PLANO DE DESENVOLVIMENTO DO SOFTWARE

Nunca, mas nunca mesmo, devemos optar por usar um programa de SIG cujo projeto de desenvolvimento está estagnado. Este estado pode muito bem indicar que ele está defasado tecnologicamente e não atenderá de forma satisfatória às suas demandas.

Como escolher um Software de SIG

Se um programa está sem ter novas versões, mesmo que de testes (release candidate), há mais de dois anos ou algo em torno disso, fique atento. Mas é claro que em casos onde um programa tem várias versões lançadas mas sem grande avanços em suas funcionalidades isso também não lhe confere um grande peso positivo para ser o eleito por sua equipe.

07 – FORÇA DA COMUNIDADE INTERNACIONAL

Verifique se o número e a força dos usuários é relevante. Podemos traduzir essa verificação em perguntas tais como:

  • A comunidade se mostra unida e organizada?
  • Já possuem um grupo de discussão (suporte)? Quão ativa é essa lista?
  • O que se pode dizer sobre a documentação do programa? É completa ou deixa a desejar?

No que diz respeito as últimas perguntas acima, pesquise se há também a chamada “documentação não oficial”. São os famosos tutoriais publicados em sites e blogs da área de Geotecnologias, como este que você está lendo.

08 – REALIZAR TESTES DE DESEMPENHO

Principalmente antes de entrar em ambiente de produção, não é nenhum pecado realizar testes de desempenho com os programas candidatos a ser escolhido para seu projeto. Os softwares livres em geral podem ser baixados gratuitamente e muitos programas proprietários possuem versões de avaliação que são úteis para esta situação.

Cursos de GeotecnologiasSempre é válido destacar também que na grande maioria dos casos os programas se complementam. Assim, respeitadas as devidas licenças, nada lhe impede de ter mais de um programa instalado, disponível, em sua máquina.

COMO VOCÊ ESCOLHE SEU SOFTWARE?

Neste artigo apenas comentei oito dos critérios que podem ser pesados na escolha de um bom software para implementação de um Sistema de Informação Geográfica.

Note que não comentamos aqui a questão financeira relacionada com a aquisição da licença, pois esse é um fator que, na minha visão, não diz respeito ao programa em si ou à comunidade, mas à interesses comerciais que não fazem parte do escopo desta matéria.

Agora gostaria de ouvir sua opinião! Como você escolhe um software para seus projetos? O que mais você acrescentaria nessa lista? Aguardo seus comentários!

Assine nosso FeedAssine nosso Feed e receba nossas atualizações por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

33 Comentários


  1. olá, estou pra realizar um tcc, junto à meu orientador, que tem a proposta de mapear a rede logística do rio grande do sul, iremos trabalhar com um software de mapping e banco de dados georeferenciado para realizar este projeto, a única funcionalidade será a ligação das rotas e o clicar em certos pontos que contenham as informações sobre a rota (seja aérea rodoviária dutoviaria, etc), alguma recomendação de software?
    Muito bom seu site! obrigado desde já!

    Responder

  2. 1. Que problemas são resolvidos com a tecnologia multitoque?
    2. Quais as vantagens e desvantagens das interfaces multitoque? Quão úteis elas podem ser? Explique.
    3. Descreva três aplicações de negócios que se beneficiariam de uma interface multitoque.
    4. Quais questões humanas, empresariais e tecnológicas devem ser consideradas se você ou sua empresa considerasse adotar sistema e computadores com interface multitoque.

    Responder

  3. Bom dia Anderson, Parabens pelos Post!
    Tenho algumas dúvidas de como escolher o melhor GIS.
    Trabalho no setor de serviços (field Service) gostaria de usar um programa GIS que me ajudasse a calcular as distâncias entre diversos pontos, em diferentes combinações e a partir disso criar poligonos (areas) que serão atendidas por um certo Técnico. Por meio de restriçoes gostaria de alocar da melhor forma possível a quantidade correta de técnicos em uma certa area de acordo com a distancia entre os pontos e a probabilidade de ocorrência de chamado neles

    Quais Programas GIS você sugeriria eu pesquisar?

    Obrigado!

    Responder

    1. Vitor,
      O QGIS (gratuito) e o ArcGIS (comercial) atendem muito bem essas suas demandas. Outros também fazem isso, citei apenas os mais conhecidos.
      Abraço!

      Responder

      1. Muito obrigado!
        Aproveitando, eu estive lendo em um artigo sobre o Terraview, parece ser simples e facil de estudar. Ele também se encaixa neste quadro que citei acima?

        Abraços!

        Responder

  4. Olá Anderson. Sabe se há algum software que permita integração com os dados do pacote do “R”?
    Abraço,
    Fábio

    Responder

  5. Olá….
    Gostaria de saber qual programa poderia usar em conjunto com sistemas de controle, cadastro e monitoramento para o setor de saneamento?

    Grato e muito obrigado pelos artigos..

    Responder

  6. Procurando sobre softwares de geoprocessamento cheguei ao seu artigo. Sou designer e um cliente solicitou a proposta para desenvolvimento dos aspectos visuais e funcionais do SIG que estão desenvolvendo. Não tenho ideia de como posso chegar a um valor de mercado. Gostaria de saber se imagina o quanto pesam os padrões estéticos no desenvolvimento de um software do tipo e o valor de venda ao cliente, no caso de uma ferramenta com diferenciais de mercado para oferta ao poder público. Ficaria grato com quaisquer informações.

    Responder

  7. Bom dia, achei muito relevante suas considerações sobre a escolha de Software SIG. Estou buscando um programa que permita fazer levantamento em campo (cadastro fundiário), gerenciar as informações, delegar tarefas, executar avaliação e apresentar relatórios em interface com pacote Office permitindo ao cliente acesso e acompanhamento do andamento do projeto.
    Encontrei um que segue nessa linha chamado Geodominus, você conhece? pode me sugerir outros?
    Antecipadamente agradeço.
    Junio

    Responder


  8. Caro Anderson, sou professor de geografia do ensino médio, vc conhece algum programa de SIG, que seja de fácil manuseio e que posso utilizá-lo para elaborar mapas de grande escala (Municípios) com fins didáticos?

    Abraço!

    Responder

  9. Ola Anderson.
    Pretendo fazer alguns trabalhos, onde será necessário transformar os gráficos e dados estatísticos em mapas temáticos, a maioria desses dados são crimes ambientais e gostaria muito de coloca-los em formas de mapas, No entanto, estou querendo usar softwares livres como o Kosmo ou o Quantum Gis. Qual dos dois seria melhor para esse trabalho?
    Obrigado!

    Responder

  10. Anderson
    Tenho como objetivo na escolha de software que desenvolve SIG a produção de mapas de prognose ambiental ou de cenários possíveis diante de parâmetros ambientais, com solo declividade, etc.
    Mas mesmo com meu objetivo defenido fico em dúvida ainda nas escolhas, baixei o Terraview mas já percebo que ele tem problemas de conversão de arquivos tif em shp.
    o que vc sugere.
    Grato pela atenção
    Marcos

    Responder

  11. Anderson parabéns pelo post.
    Como já havia comentado no Twitter, sou integrante do Labocart (laboratório de Geoprocessamento da Universidade Federal do Ceará). E sempre indico teus post’s para os demais alunos do laboratório.

    Esse post veio em boa hora, já que estamos nos organizando em relação aos softwares que iremos trabalhar nas atividades do laboratório. A nossa principal questão atualmente e a utilização de softwares livres, entre eles o gvSIG, Quantum GIS e Spring.

    Abraços,
    Narcélio de Sá

    Responder

    1. Olá Narcélio, obrigado pelo comentário.
      Que bom que o artigo está sendo útil pelo que parece.
      Já estão chegando à alguma conclusão? QUando decidirem, não deixe de nos informar. Abraço!

      Responder

  12. Muito bom o post. Como sempre informativo e didático. Também não tinha conhecimento que a Esri disponibilizava uma solução para linux. Parabéns. Já adicionei aos meus favoritos. Abraço.

    Responder

  13. Observações muito importante essas que você relacionou. A escolha do software é bastante importante e como você disse é ainda mais importante saber sobre qual metodoligia/teoria você estará analisando seus dados, para escolher bem seu software.

    Uma observação, a ESRI disponibiliza o ArcGIS, assim como outras aplicações para Linux e Unix, basta que o usuário entre em contato e faça a solicitação. Em longíncuos anos o SIPAM usava no ambiente SCC o ArcView customizado para suas aplicações.

    Umabraço.

    Responder

    1. Sadeck,
      Agradeço por esta sua observação tão pertinente. Sinceramente, não tinha conhecimento desta possibilidade oferecida pela ESRI. Muito obrigado por seu comentário. Abraço.

      Responder

  14. Caro Anderson,
    Parabéns pelos comentários sobre a escolha de um SIG.
    Além das 8 dicas eu recomendo, se me permite, que no processo sejam observadas as Instruções Normativas nº. 4/2008 e nº. 1 de 2011 da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento. Ambas tratam, dentre outros aspectos, do processo de contratação de serviços de TI pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional.
    Portanto, os Órgãos Públicos devem atentar para os referidos documentos durante o processo de escolha da solução.
    Abraço,
    Cristiano Cardoso

    Responder

    1. Cristiano, excelente observação esta sua. Agradeço por sua contribuição e espero sempre contar com suas visitas e comentários ricos em informação, como este. Você trabalha em algum orgão público?
      Forte abraço!

      Responder

      1. Anderson,
        Desculpe pela demora em respondê-lo.
        Eu trabalho na Administração Central dos Correios em Brasília.
        Um abraço,
        Cristiano Cardoso

        Responder

        1. Olá Cristiano, como vai?
          Ano passado ministrei treinamento para os Correios, de Geoprocessamento com software livre (QGIS, PostgreSQL+PostGIS, MapServer+i3Geo). Foi realizado lá em João Pessoa/PB com a participação de colaboradores de várias DR, inclusive de Brasília.
          Um abraço e obrigado por sua visita.

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *