6 Coisas que Você Precisa saber sobre o QGIS

Coisas que Você Precisa saber sobre o QGIS

O número de usuários do QGIS só faz crescer em todo o mundo. Nesta matéria vamos listar 6 (seis) coisas que todo utilizador do programa, iniciante ou não, precisa saber sobre esta poderosa ferramenta para Geoprocessamento.

1 – O NOME DO SOFTWARE É QGIS OU QUANTUM GIS?

Esta primeira questão pode até parecer estranha ou mesmo banal, mas temos notado que este ainda é um detalhe importante que tem passado despercebido por muitos usuários do QGIS, inclusive de alguns que são experientes em sua utilização.

O nome do Software é Quantum GIS ou QGIS?

É verdade que o nome do programa era Quantum GIS e costumava-se abreviá-lo indicando entre parênteses que ele também poderia ser chamado por QGIS. Ou seja, era comum a seguinte notação: Quantum GIS (QGIS). Mas as coisas mudaram.

Workshop de Geoprocessamento com Software Livre

Desde setembro de 2013, com o lançamento do QGIS 2.0, o nome oficial do programa passou a ser apenas QGIS. A partir de então o uso do nome Quantum GIS foi descontinuado!

Mas será que isso faz tanta diferença assim? É algo relevante? Sim, é! Por exemplo, se você está escrevendo um trabalho científico (artigo, monografia, dissertação, etc) e deseja mencionar o uso de uma versão do programa a partir da série 2.x deverá usar o nome correto, QGIS, para que sua publicação não traga uma informação incorreta, ou pelo menos incompleta.

Ainda é bastante comum por conta do hábito ouvirmos diversas pessoas chamando o programa de Quantum GIS. Logicamente, com o tempo o uso do nome Quantum GIS também deverá ser “esquecido” de forma verbal, por assim dizer. A ideia aqui é destacar o que é oficial em relação ao nome do software.


2 – COMO SURGIU O PROJETO QGIS?

Conforme explicado no artigo Um desktop potente e amigável (2011), o projeto QGIS teve início em Fevereiro de 2002 tendo o primeiro lançamento do programa ocorrido em Junho do mesmo ano.

A imagem abaixo ilustra a interface do programa em sua versão 0.0.5 Alfa, lançada ainda em 2002. Note a simplicidade dela e os poucos recursos disponíveis na barra de ferramentas. Certamente, muito diferente do robusto programa que temos hoje, mais de uma década depois.

Interface do Software QGIS - Versão 0.0.5 Alfa

O objetivo inicial do projeto era criar um visualizador gratuito para a base de dados geográfica PostGIS que funcionasse em sistemas operacionais livres (GNU/Linux).

Com o tempo, felizmente para nós, o QGIS superou todas essas expectativas iniciais e hoje é aplicação multiplataforma que funciona em todas as principais versões do Unix, GNU/Linux, bem como Mac OsX e MS Windows.

Ele já suporta numerosos formatos vetoriais, raster, e bases de dados, e fornece uma ampla gama de funções de Geoprocessamento para manipulação destes dados.


3 – UMA COMUNIDADE (MUITO) ATIVA DE USUÁRIOS

Se você não sabe disso, precisa sem dúvida de ficar sabendo: O QGIS possui uma das mais ativas comunidades de usuários da área de Geotecnologias.

Comunidade de Usuários do QGIS

Atualmente, a lista de discussão oficial do QGIS Brasil, hospedada nos Google Groups, conta com mais de 1.500 usuários cadastrados e já são cerca de 3.000 tópicos publicados, os quais você pode consultar, agregando conhecimento sobre o programa.

A seguir você confere os links para a lista de discussão mencionada acima, bem como do site da comunidade brasileira do QGIS e do grupo correspondente no Facebook, respectivamente:

Você logo notará que a comunidade QGIS Brasil é muito colaborativa. Sempre tem alguém disposto a ajudar de alguma forma, tirando dúvidas, fazendo testes, enfim, contribuindo de alguma maneira.


4 – O QGIS SE INTEGRA COM DIVERSOS SOFTWARES

Algo que certamente é um dos fatores que mais contribuem para a evolução do QGIS é sua capacidade de integração com diversos outros programas e a ampliação de seus recursos através da instalação de plugins, também chamados de extensões ou complementos.

O QGIS se integra, entre outros pacotes, com o Orfeu ToolBox, Sistema estatístico R, GRASS, Saga GIS, PostgreSQL/PostGIS e Módulo Sextante (Processamento).

O QGIS se integra com inúmeros outros Softwares

Assim o software amplia grandemente seu leque de ferramentas para trabalhar com Processamento Digital de Imagens (PDI), Geoestatística, banco de dados geográficos, análise espacial e muito mais. São centenas de possibilidades!

Nos links abaixo você pode conferir algumas matérias e tutorias que vão exemplificar o que comentamos neste item.


5 – COMO CITAR O QGIS EM MINHAS PUBLICAÇÕES?

Esta é uma dúvida comum e que repetidas vezes é enviada para a lista de discussão mencionada no terceiro item de nossa matéria. É um assunto de preocupação especial para quem deseja mencionar o QGIS em um artigo, por exemplo.

Para ver todas as possibilidades e variações da forma correta de citação de acordo com a faceta do projeto QGIS que você deseja referenciar em seu trabalho, recomendo que acesse o link a seguir:


6 – COMO APRENDER MAIS SOBRE O QGIS

Há vários meios para aprender a utilizar o QGIS. Você pode por exemplo, acompanhar os canais da comunidade QGIS Brasil, já mencionados e linkados acima.

Além disso, não posso deixar de mencionar que nós oferecemos cursos de QGIS, em níveis básico e avançado, tanto nas modalidades presencial como também online. Para saber mais sobre isso, clique no banner abaixo e acessar o site da empresa ClickGeo:

Cursos de QGIS (Básico e Avançado): Presenciais e Online

Por fim, há vários tutoriais sobre usos e aplicações práticas do QGIS em vários blogs que publicam regularmente sobre Geotecnologias. Você pode consultar muito material gratuito na seção de nosso site que é dedicada à publicações sobre o QGIS. Para acessar, basta clicar aqui.


Em conclusão, selecionamos alguns tutoriais e dicas sobre o QGIS que são frequentemente acessados por nossos leitores. Confira:

Logo teremos outras novidades sobre Geoprocessamento com QGIS. Aguardem e deixem seus comentários!

Assine nosso FeedAssine nosso Feed e receba nossas atualizações por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

5 Comentários



  1. Comecei a usar o Qgis na versão 1.8, dai por diante sempre o acompanhei, mais intensamente quando entrei para o curso de Tecnologia em Geoprocessamento na UFSM. Atualmente estou usando em um projeto de extensão. Muto bom, devo também meu aprendizado a inúmeros colaboradores que sempre publicam tutorias. Anderson Medeiros, Narcélio de Sá, Jorge Santos etc. Meu muito obrigado.

    Responder

    1. Ricardo,
      Agradeço pela sua resposta ao post. Fico feliz em receber esse tipo de comentário. Ele nos motiva a continuar com nosso trabalho.
      Mantenha contato. Forte abraço!

      Responder

  2. Excelente artigo Anderson Medeiros. Parabéns pelos conteúdos de qualidade que você divulga a comunidade QGIS.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *