4 Artigos sobre SIG e Gestão de Resíduos Sólidos

SIG para LixoToda atividade produz algum tipo de resíduo, ou seja, não é possível viver sem produzir lixo. Portanto a gestão desses elementos se torna complexa, entretanto necessária. A adequada gestão de resíduos sólidos urbanos, ou a falta dela, tem sido razão de preocupação para comunidade mundial, em cidades de portes diversos. Como o Geoprocessamento pode ajudar positivamente neste cenário?

GEOPROCESSAMENTO NA GESTÃO DO LIXO URBANO

A Norma Brasileira (NBR) 10004/2004 define resíduo sólido e semissólido como sendo o resultado de “atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola de serviço e de varrição”. Conhecido popularmente por lixo pode-se dizer que tudo aquilo que se entende por imprestável, sujo ou inútil é considerado como resíduo, sendo sólido ou semissólido de acordo com seu estado físico (ABNT, 2004).

Curso online de Linux

Listamos abaixo apenas 4 (quatro) dos muitos trabalhos publicados sobre uso de Geotecnologias na gestão de resíduos sólidos.

1.ANÁLISE DE ROTAS COM USO DE GEOPROCESSAMENTO

O artigo Análise de rotas de coleta de resíduos sólidos domiciliares com uso de Geoprocessamento teve como objetivo a avaliação do roteiro de coleta de resíduos sólidos domiciliares da região central da área urbana de Irati/PR, por meio da utilização de técnicas de rede em ambiente de Sistemas de Informações Geográficas.

Análise de rotas de coleta de resíduos sólidos domiciliares com uso de Geoprocessamento

Foram aplicadas ferramentas de roteirização para a obtenção de distâncias replicadas no percurso utilizado na época pela prefeitura. Os resultados obtidos podem proporcionar estimativas de custos em vários aspectos da cadeia relacionada ao roteiro de coleta de resíduos sólidos.

Além disso, o uso da modelagem de rede para a análise dos roteiros já existentes se mostra uma ferramenta útil para a obtenção de resultados importantes, além do convencional, que trata da simulação de novas rotas. Os autores são Alcides Pascoal Junior e Paulo Costa de Oliveira Filho.

2. USO DE SIG NO ROTEAMENTO DE VEÍCULOS DE COLETA

No artigo Análise do Uso de SIG no Roteamento dos Veículos de Coleta de Resíduos Sólidos Domiciliares é relatado o exame do uso de um programa que faz uso de conceitos de SIG, como ferramenta para roteirização de veículos de coleta de resíduos sólidos domiciliares.

Análise do Uso de SIG no Roteamento dos Veículos de Coleta de Resíduos Sólidos Domiciliares

O software utilizado foi o TransCAD, versão 3.2, que permite desenvolver rotas utilizando algoritmos que incluem o procedimento de roteirização em arco. O objetivo é minimizar a extensão total a ser percorrida pelos veículos coletores.

Os resultados obtidos demonstraram reduções percentuais de até 41% na distância total percorrida e de 68% no tempo total de percurso em relação ao serviço atual. Os autores do trabalho são Luzenira Alves Brasileiro e Márcio Gonçalves Lacerda.

3. SIG NO PLANEJAMENTO DA COLETA DE RESÍDUOS

O artigo SIG no Planejamento da Coleta de Resíduos Sólidos: Um Estudo de Caso no Bairro de Cabo Branco, João Pessoa/PB demonstra a possibilidade de uso de um software de SIG como ferramenta de análise da coleta domiciliar, visando proporcionar um melhor desempenho em seu planejamento, reduzindo os custos, facilitando as consultas e gerenciamento de informações.

SIG no Planejamento da Coleta de Resíduos Sólidos: Um Estudo de Caso no Bairro de Cabo Branco, João Pessoa/PBNo estudo de caso foi montada uma rota de coleta de resíduos sólidos, utilizando-se determinadas funcionalidades oferecidas pelo ArcGIS e feita uma comparação com a rota utilizada atualmente. A atual coleta é feita pelo método empírico, sem a utilização de novas tendências tecnológicas.

Com proposta de inserção dessas tendências, uma nova estrutura de dados foi montada, com rotas simuladas, através do software de SIG, usando dados coletados a partir do sistema real. A autora do trabalho é Lidiane Cristina Félix.

4. SIG NO DIAGNÓSTICO DE ROTEIROS DE COLETA DE LIXO

No trabalho com título O uso do geoprocessamento no diagnóstico dos roteiros de coleta de lixo da cidade de Manaus os autores explicam que analisar o sistema de gestão de resíduos da cidade, fez-se um diagnóstico dos roteiros de coleta, onde se mapeou todas as informações identificadas em campo, declividade, ruas sem asfalto e estreitas, lixeiras viciadas, tempo e distâncias dos trechos produtivos e improdutivos, produção de lixo e disposição do trânsito, com o auxílio de receptores GPS.

O uso do geoprocessamento no diagnóstico dos roteiros de coleta de lixo da cidade de Manaus

A possibilidade que se tem a partir da utilização do SIG em análises que contemplem aspectos de distribuição espacial da geração do lixo e informações sobre situação socioeconômica, densidade populacional e outras, abre a perspectiva para a utilização desta ferramenta na definição e administração dos roteiros de coleta de lixo.

Os autores são José Olavo Nogueira Braga, Lizit Alencar da Costa, André Luiz Guimarães e Julio César Rodrigues Tello.

===============================================

Já conhecia estas publicações? Você conhece outros bons artigos ou outros trabalhos, em português, que abordam o uso prático de Geotecnologias na Gestão de Resíduos sólidos? Certamente há inúmeras outras referências sobre este tema. Deixem seus comentários.

 Assine nosso FeedAssine nosso Feed e receba nossas atualizações por e-mail. Curta nossa página no Facebook [PortalClickGeo] e siga nosso Twitter [@ClickGeo] para continuar atualizado sobre o Mundo das Geotecnologias.

2 Comments on “4 Artigos sobre SIG e Gestão de Resíduos Sólidos”

  1. Maria de Fátima disse:

    Achei seu trabalho muito parecido como o que vou ter de desenvolver, apesar de que o meu será um estudo comparativo sobre os resido sólidos de algumas instituições.Mas preciso mais ainda que vc fale p/ mim sobre a analise de seu trabalho ( analise do gráfico). Para que eu possa fazer uma analise do seu trabalho parecido.
    OBS: não se preocupe que ire colocar a fonte direitinho.
    Aguardo e sou grata.

    1. Olá Fátima, como vai?
      No caso, como pode perceber no post, não sou o autor de nenhum destes trabalhos. Apenas divulguei o trabalho de colegas. Nos artigos há os contatos de seus respectivos autores.
      Espero ter ajudado.
      Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *